quinta-feira, maio 03, 2007

  • Angell
  • Janela Para Outro Mundo...

    Há os que choram a ausência, ou mesmo a perda do ser amado. Há os que choram por o amor que vivem, sentirem que não é o que desejavam. Talvez a chama tenha esmurecido; talvez nunca tenha existido. Talvez nunca tivessem amado, afinal. Por uma questão de não ficarem na solidão, agarraram-se á primeira tábua, julgando ser a salvação. Ingénuamente sonham que talvez ainda possam ser felizes. Assim vão-se arrastando dia após dia. Há ainda os que choram por ninguém terem. Será que é o mundo que é tão complexo; ou somos nós que o fazemos?
    Sei o que é amar alguém; mas que no fundo apesar da separação ter doído (agora é definitivamente passado); ter a plena conciência que nunca amei verdadeiramente, plenamente. Amava por amar, gostava por gostar. Se não temos bases fortes construidas num amor sólido; com os primeiros vendavais as raízes soltam-se e tudo acaba. O que aqui escrevo serve para exorcisar os meus medos, os meus receios, as minhas perdas. Faze-las dissiparem-se da minha vida. Outros espinhos surgirão, mas isso irá ser uma história vivida no futuro próximo. Agora vou caminhando devagar ao encontro daquilo que realmente quero. Sim devagar, pois penso muito antes de fazer algo. Cada qual tem o seu ritmo, e eu tenho o meu. No entanto, sinto a chama da concretização a arder dentro do meu peito, a impulsionar-me para á frente. Uma janela está a abrir-se de par em par na minha vida. Uma janela cuja caminhada não será fácil (nada nesta vida o é); mas que me levará para outro mundo. Aquele onde finalmente me irei encontrar enquanto pessoa, enquanto ser humano; buscando a felicidade a que tenho pleno direito.
    _________________
    Foto: Autor: Rui Moreira - Fonte: Olhares.Com

    19 Comments:

    Blogger Idiota said...

    «Será que é o mundo que é tão complexo; ou somos nós que o fazemos?»
    Afinal qual é a diferença o que importa mesmo é aquilo que sentimos...acho eu...pelo menos é o q eu sinto...;)
    «ter a plena conciência que nunca amei verdadeiramente, plenamente.»- como é que se tem essa consciência ou a outra de se ter amado verdadeiramente???...

    «buscando a felicidade a que tenho pleno direito.»
    Espero realmente que encontres faço força para isso...

    2:11 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Idiota,
    Sim, o que importa somos nós e o que sentimos. Por isso que é importante o descobrirmos e tentarmos fazer algo por isso. O pior é quando nos deixamos ir sem nada fazer.

    Amar verdadeiramente, é quando tu só ves e queres aquela pessoa ao teu lado. Por ela fazes e lutas como não farás por ninguém. Pensas mais no bem estar dela do que no teu. Claro que pensas em ti; mas a outra pessoa está sempre presente. Quereres sempre esse alguém ao teu lado. Morreres de saudades quando não está presente. Aquela pessoas que não precisas de falar; pois parece ler os teus pensamentos. Saberes que quando estás com problemas, triste, doente; essa pessoa está sempre contigo. Sempre juntos nos maus e nos bons momentos. Isto tem que ser válido para ambos os lados.

    Obrigada rapaz! Faço igualmente força para que encontres igualmente a tua felicidade :)

    3:03 da tarde  
    Blogger papagueno said...

    É assim mesmo, Andamos todos á procura da felicidade. Eu também tenho consciência que nunca amei verdadeiramente talvez por procurar o amor onde ele não estava.
    Espero que um dia todos possamos ser felizes.
    Beijinhos

    4:04 da tarde  
    Blogger whitesatin said...

    Bonito.
    Desejo-te uma caminhada suave (ao teu ritmo) e determinada ;)

    Bjs

    5:45 da tarde  
    Blogger Som Do Silêncio said...

    ... Meu Amor hoje tão só, e tu tão perto...
    Perto de mim estão estas mágoas
    Este meu fado breve, certo e incerto
    E tu tão perto, e tu tão perto...

    ( Extrato do Poema de Rogério Martins Simões )

    Busca o amor sem pressas, e quando menos esperas encontras o teu true love...


    P.S.: Se não te importares posso linkar o teu blog? Beijokas

    8:13 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Papagueno,
    Acho que é isso mesmo. Procuramos muitas vezes o amor onde ele não está. Como já me disseram, o amor não se procura, encontra-se. Se assim for, espero que um dia destes, todos nos sejamos bafejados com ele! Temos que pensar; melhor, acreditar que sim! :)

    Bjs!

    8:42 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Querida Whitesatin,
    Obrigada; vou fazer para que assim seja! ;)

    Bjs!

    8:46 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Som do silêncio,
    São lindas as palavras desse poema.

    Irei na senda do meu true love, calma, serenamente e pacientemente; mas determinada também. Obrigada!

    Sente-te á vontade para linkares o meu blog! :)

    Bjs!

    8:58 da tarde  
    Blogger Idiota said...

    Ups... eu arrebatei completamente a barreira do linkar o blog... já tá áà algum tempo.... com muito gosto...
    GOsto sempre das tuas palavras....apesar de não se

    9:31 da tarde  
    Blogger Idiota said...

    bolas desculpa Angell mas é que eu não consigo ver o que escrevo nestae browser..... eu ia dizer que apesar de não serem muito diferentes daquilo que eu sinto...tu conseges dize-las e mostrar-me por vezes outras perspectivas...desculpa se tiver erros nunca mais volto a fazer isto...não vejo nada!!!

    9:34 da tarde  
    Blogger Mar da Lua said...

    Angell: A tal janela de que falas,...a tal para o outro mundo - aquele que invariavelmente somos nós que construimos também - és tu. Só tu! Abre-te então.

    Um beijo.

    11:36 da manhã  
    Blogger Angell said...

    Idiota,
    Tudo bem rapaz, não te procupes. Dá para perceber o que queres dizer! É assim trocando ideias que chegamos a conclusões. :)

    12:00 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Mar da lua,
    Nem mais! É o meu Eu interior a pulsar de vida; nessa janela que está a abrir-se para a felicidade!

    Obrigada! :)

    Bjs!

    12:08 da tarde  
    Blogger Mar da Lua said...

    Venha de lá essa brisa. Abre a janela e desempoeira a vida e o sorriso.

    Não tens de quê :)
    Bjs

    12:49 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Mar da lua,
    O céu está carregado de nuvens negras; deve desabar alguma chuva não tarda; talvez sim ou não. Não vou abrir a janela de casa, isso é certo. Ao contrário aquela que habita dentro de mim; está ensolarada, plena de cores qual arco-iris; com uma leve brisa agitando folhagens, que emana aromas silvestres.

    Obrigada, sim! :)

    Bjs!

    1:12 da tarde  
    Blogger Maria José said...

    Senti uma espécie de calma nestas palavras, neste exorcismo que contempla dúvidas, certezas, anseios, vivências.


    E senti uma vontade imensa de, na tranquilidade que vi em cada letra, adivinhar esse outro mundo concretizado. Porque creio verdadeiramente dever cada um encontrá-lo, um dia.

    2:33 da tarde  
    Blogger not me said...

    Pois é, a Primavera a fazer das suas...lol...tou a brincar! O amor que procuramos somos nós que o temos, e pelo que me parece tu tens muito até! Ninguém se encontra sozinho, precisa sempre de ajuda para o fazer... para o mostrar... para o sentir... para o fazer sentir. Mas este tipo de sentimento não se esgota, tornando a tal caminhada tão longa como a eternidade... e ainda bem que é assim, se não era o fim*
    Tens pleno direito... e vais fazer uso desse direito!

    ;)

    6:52 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Maria José,
    Sem dúvida que um exorcismo, e a esperança de uma nova vida. Carregada de novas cores, novas vivências, um novo caminho, um novo mundo. Faço votos para que encontres também o teu! :)

    Obrigada rapariga! Tu "lês-me" sempre tão bem! :)

    Bjs!

    10:02 da tarde  
    Blogger Angell said...

    Not me,
    Essa foi boa! :)
    O sentimento realmente não se esgota! Mesmo que signifique que seja preciso caminhar uma eternidade para ser concretizado. Como tens razão!

    Irei fazer uso desse direito, sim!

    Obrigada! ;)

    Bjs!

    10:24 da tarde  

    Enviar um comentário

    << Home